Psoríase é uma doença inflamatória da pele relativamente comum, crônica e não contagiosa. Apresenta sintomas que desaparecem e reaparecem periodicamente, com incidência genética em cerca de 30% dos casos, podendo também estar relacionada ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente.

Essa doença de pele é caracterizada por lesões avermelhadas e descamativas, normalmente em placas, que geralmente aparecem no couro cabeludo, cotovelos e joelhos. A psoríase não é contagiosa e o contato com pacientes não precisa ser evitado.

TIPOS DE PSORÍASE

– Psoríase vulgar: Lesões de tamanhos variados, delimitadas e avermelhadas, com escamas secas, aderentes, prateadas ou acinzentadas que surgem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos;

– Psoríase invertida: Lesões mais úmidas, localizadas em áreas de dobras como couro cabeludo, joelhos e cotovelos;

– Psoríase gutata: Pequenas lesões em forma de gotas, associadas a processos infecciosos. Geralmente, aparecem no tronco, braços e coxas e ocorrem com maior frequência em crianças e adultos jovens;

– Psoríase eritrodérmica: Lesões generalizadas em 75% ou mais do corpo;

– Psoríase ungueal: Surgem depressões puntiformes ou manchas amareladas, principalmente nas unhas das mãos;

– Psoríase artropática: Em cerca de 8% dos casos, pode estar associada a comprometimento articular. Surge de repente com dor nas pontas dos dedos das mãos e dos pés ou nas grandes articulações como a do joelho;

– Psoríase postulosa – aparecem lesões com pus nos pés e nas mãos ou espalhadas pelo corpo;

– Psoríase palmo-plantar: as lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos e solas dos pés.

FATORES DE RISCO

Além do fator genético, alguns riscos podem aumentar as chances de uma pessoa adquirir a doença ou piorar o quadro clínico já existente, tais como:

– Histórico familiar: De 30% a 40% dos pacientes com psoríase têm histórico familiar da doença;

– Estresse: Pessoas com altos níveis de estresse possuem sistema imunológico debilitado que facilita o aparecimento da doença;

– Obesidade: Excesso de peso pode aumentar o risco de desenvolver a doença. A psoríase invertida é mais comum em pessoas negras e HIV positivos.

– Tempo frio: Com a baixa temperatura, a pele fica mais ressecada e a psoríase tende a piorar. A inflamação na pele tende a melhorar com a exposição solar;

– Consumo de bebidas alcoólicas;

– Tabagismo.

SINTOMAS DE PSORÍASE

– Manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas;

– Pequenas manchas brancas ou escuras residuais pós lesões;

– Pele ressecada e rachada; às vezes, com sangramento;

– Coceira, queimação e dor;

– Unhas grossas,  sulcadas, descoladas e com depressões puntiformes;

– Inchaço e rigidez nas articulações;

– Em casos de psoríase moderada, pode apresentar apenas um desconforto por causa dos sintomas;

– Nos casos mais graves, pode ser dolorosa e provocar alterações que impactam significativamente na qualidade de vida e na autoestima do paciente;

– Os sintomas variam de paciente para paciente, conforme o tipo da doença.

TRATAMENTO PARA PSORÍASE

Psoríase não tem cura, mas há tratamentos que melhoram a qualidade de vida do paciente. Não formas de prevenir a doença, embora seja possível controlar a reincidência.

Os tratamentos mais comuns são:

– Tratamento tópico: medicamentos em cremes e pomadas, aplicados na pele. Podem ser usados em conjunto com outros tratamentos ou sozinhos, em casos de psoríase leve;

– Tratamentos sistêmicos: remédios em comprimidos ou injeções, normalmente indicados para pacientes com psoríase de moderada a grave e/ou com artrite psoriásica;

– Tratamentos biológicos: medicamentos injetáveis indicados para o tratamento de pacientes com psoríase moderada a grave;

– Tratamento por Fototerapia: exposição da pele à luz ultravioleta de forma consistente e com supervisão médica. O tratamento deverá ser feito por apenas profissionais especializados.

RECOMENDAÇÕES

– Evite o ressecamento da pele utilizando bastante hidratante;

– É importante pegar um pouco de sol pela manha ou fim da parte, lembrando-se de passar creme hidratante ou terapêutico;

– Evite a ingestão de bebidas alcoólicas;

– Evite o estresse e o esgotamento emocional;

– Lembre-se que a psoríase não é contagiosa e você não precisa se isolar do mundo;

É imprescindível consultar regularmente um dermatologista e seguir o tratamento e orientações à risca. Isso o ajudará a controlar as crises.

LEIA TAMBÉM: Cuidados diários para ter uma pele bonita

Clique aqui e saiba mais!

 

Fonte: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/psoriase/

https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/psoriase/18/